钱多多论193333
中文聚焦 > 滚动新闻 > 钱多多论193333

人间至味是清欢手机看

来源:商务中国|钱多多论193333
2019-12-10 10:01:14
分享

  

  RIO DE JANEIRO — Mesmo depois da morte, a barganha continuou.

  Christian Esmério seria “o cara” — sua família tinha certeza disso.

  Ele tinha 15 anos e era alto, com um sorriso fácil que escondia sua habilidade entre as traves do gol. Já se falava em contratos e em comprar uma casa para os pais, que haviam investido todas as economias no sonho de que o filho pudesse ser o próximo grande produto de exportação do futebol brasileiro — um novo Ronaldo, Romário ou Neymar.

  Agora, do lado de fora de um prédio de escritórios do Rio, cercado por advogados, o pai estava atordoado pela dor do luto. Dias antes, Christian morrera queimado em um incêndio no Centro de Treinamento de um dos clubes de futebol mais famosos da América do Sul, o Flamengo. Ele foi uma das 10 vítimas fatais.

  A tragédia revelou uma linha de produção do futebol internacional e levantou questões sobre um aparato brutal que engole milhares de jovens brasileiros para cada estrela que produz.

  Era hora de descobrir a resposta para a pergunta: o quanto Christian realmente valia?

  “Sonhos...”

  A palavra flutuou no ar enquanto Rafael Stival deixou escapar um suspiro.

  A empresa de olheiros de Stival publicou uma nota no Facebook lamentando a morte de três de seus pupilos vítimas do incêndio no Flamengo. Desde então, as mensagens seguem chegando.

  Porém, não de condolências. O post no Facebook tinha, inadvertidamente, funcionado como uma propaganda — um sinal para pais ambiciosos de que a empresa de Stival poderia colocar seus filhos não em qualquer clube, mas no grande Flamengo. Queriam que Stival desse uma chance aos seus meninos.

  A morte dos 10 meninos em um dos baluartes do futebol do Brasil revelou a maior linha de produção do futebol internacional: um aparato brutal que engole milhares de jovens brasileiros para cada estrela que produz.

  É um mundo povoado por uma variedade de personagens, alguns atraídos pela glória, mas quase todos seduzidos pela chance de sair da pobreza, talvez alcançar a fortuna.

  Há os meninos, claro, e suas famílias. Há os investidores e os intermediários como Stival, que vasculha o país de dimensões continentais em busca de promessas que podem ter apenas nove anos de idade. E há também os times, muitos em tal estado de desordem financeira que apenas a venda do último craque os salva da insolvência.

  O lucro de investir com sabedoria, e cedo, em um único jogador pode chegar a dezenas de milhões de dólares.

  Para muitos do ramo, a indústria cresceu descontroladamente e passou de um sistema destinado a desenvolver jogadores promissores para um mercado internacional que atualmente movimenta US$ 7 bilhões por ano, de acordo com a FIFA. Neste ambiente especulativo, jovens atletas talentosos — alguns deles crianças — são comprados e vendidos como qualquer outra matéria-prima. No Brasil, os melhores são até chamados de“pedras preciosas”.

  Ninguém sabe ao certo quantos meninos fazem parte do sistema de futebol infantil do Brasil.

  Não há números oficiais. As estimativas variam de 12.000 a 15.000, mas este dado é difícil de ser checado. A Confederação Brasileira de Futebol não se esforça para registrar os jogadores até que completem 16 anos e se tornem profissionais.

  Mas uma coisa é sabida: na noite do incêndio do Flamengo, em 8 de fevereiro, mais de duas dúzias de jovens— a maioria de famílias pobres e todos na esperança de realizar um sonho — estavam recolhidos em um dormitório do clube.

  Em um país obcecado pelo futebol, o Flamengo se orgulha de ser o time mais popular, com recursos que causam inveja nos rivais em toda América do Sul. Mas essa adoração e esse poder, ao que parece, podem ter permitido ao Flamengo escapar durante anos de qualquer punição pelo tratamento dado aos meninos sob seus cuidados.

  Em 2015, promotores do estado do Rio de Janeiro processaram o Flamengo pelas condições de seu centro de treinamento. Os procuradores mencionaram falhas na proteção dos menores, declarando que as condições eram “inferior até mesmo `aquelas atualmente ofertadas aos adolescentes em conflito com a lei”.

  As autoridades emitiram uma ordem para interditar o centro em 2017, mas nunca a cumpriram, limitando as sanções a dezenas de multas.

  Nos últimos anos, o Flamengo gastou milhões para melhorar sua escola. No ano passado, os dirigentes do clube se gabaram de que as novas instalações seriam as melhores do Brasil.

  Mas o dormitório que acomodava 26 meninos na noite do incêndio era uma estrutura improvisada, formada por seis contêineres de aço interligados. Nunca havia sido inspecionado, segundo as autoridades locais.

  Entrevistas com sobreviventes do incêndio e com autoridades que participaram do caso sugerem que uma série de falhas pode ter contribuído para as mortes dos meninos:

  — A regulação federal exige pelo menos um cuidador para cada 10 meninos, mas não havia nenhum adulto presente no momento do incêndio.

  — Sobreviventes disseram que a única saída ficava em uma extremidade do dormitório. Alguns garotos poderiam estar em camas mais longe do que os 10 metros exigido pela regulação.

  — Os quartos tinham portas de correr, outra violação, porque elas podem emperrar.

  — Ainda que cada quarto tivesse uma janela, elas estavam obstruídas por grades.

  Um menino que estava no quarto de Christian disse a jornalistas que a porta travou quando ele tentou sair. O garoto conseguiu se espremer através das grades da janela. Mas Christian, um goleiro de 1,90 metro, não conseguiu. Quando os socorristas chegaram , o corpo estava tão carbonizado que só pôde ser identificado por meio da arcada dentária.

  Funcionários do Flamengo não responderam aos pedidos de entrevista. Mas em fevereiro, o presidente, Rodolfo Landim, negou saber sobre irregularidades quando concedeu entrevista coletiva após o incêndio.

  “Nosso objetivo é resolver esse problema o mais rápido possível”, disse ele.

  O futebol não é o único setor que atrai os desesperados do Brasil.

  Sergio Rangel, jornalista que cobre o esporte há três décadas, diz que o sistema de treinamento de jogadores de base recorda a gigantesca mina de ouro em Serra Pelada. Suas terríveis condições foram imortalizadas pelo fotógrafo Sebastião Salgado nos anos 80.

  Homens desesperadamente pobres de todo o país invadiram a mina a céu aberto, garimpando na esperança de encontrar a pepita que mudaria suas vidas.

  O futebol também tem sido uma espécie de ouro dos tolos para muitas famílias — algumas das quais percorrem centenas ou milhares de quilômetros desde suas cidades de origem para matricular os filhos em programas de treinamento que classificarão, examinarão e, na maioria das vezes, rejeitarão as crianças como inúteis.

  “Pegue um, examine e descarte se não for bom”, disse Rangel.

  Os jovens não são apenas descartáveis. Para aqueles que dirigem a indústria, são muitas vezes indistinguíveis.

  Isso ficou claro em um serviço fúnebre para os 10 jogadores que morreram no Flamengo. No meio da cerimônia, um funcionário do clube correu para cobrir uma grande montagem de fotos dos meninos: alguém percebeu que um sobrevivente fora incluído por engano.

  As ruas de Xerém, a cerca de 50 quilômetros do Rio, estão repletas de meninos de várias idades com camisas vermelhas, verdes e brancas — as cores do Fluminense.

  Antes que o clube construísse seu centro de treinamento, Xerém não passava de um pântano, dizem os moradores locais. Mas agora, apesar do calor úmido que ultrapassa 38 graus Celsius, tornou-se o lar de jogadores e famílias cujas vidas giram em torno do clube. Entre eles, um garoto de 11 anos, apelidado de Maradoninha, por sua semelhança com o astro argentino Diego Maradona.

  Mesmo nesta cidade altamente competitiva, Maradoninha atraiu uma atenção especial.

  Há dois anos, um olheiro do Fluminense viu o garoto, cujo nome verdadeiro é Leandro Gomes Feitosa, disputar um torneio local e se aproximou de sua família. O garoto tinha apenas 9 anos. A legislação brasileira não permite que clubes de futebol abriguem crianças com menos de 14 anos. No entanto, se a família se mudasse para o Rio, disse o olheiro, o Fluminense treinaria o menino.

  Um grupo de empresários locais bancou o investimento — por uma fatia dos lucros futuros — e há dois anos a família viajou mais de 1.900 quilômetros, da cidade de Palmas para Xerém, para perseguir o sonho.

  Quase todas as famílias que vivem na comunidade de 26 sobrados têm uma história parecida, disse o pai de Maradoninha, Evandro Feitosa.

  Maradoninha pode não ter idade suficiente para cursar o ensino médio, mas ele sabe que o futuro da família está ligado às suas habilidades com uma bola de futebol. “Se Deus quiser”, ele disse, “vou me tornar um grande jogador para ajudar minha família em Palmas, minha família aqui e aqueles que precisam”.

  As chances de conseguir isso são pequenas. Menos de 5 por cento das promessas do futebol no Brasil chegarão a ser profissionais, segundo a maioria das estimativas. Menores ainda são as chances de ganhar um salário decente no esporte. Um estudo publicado pela Federação Brasileira de Futebol em 2016 constatou que 82% dos jogadores de futebol do país ganhavam menos de 1.000 reais (US$ 265) por mês.

  Quaisquer que sejam as probabilidades, sejam quais forem as dificuldades, há suficientes histórias de sucesso no futebol para alimentar as esperanças de crianças e famílias que têm pouco mais com que sonhar.

  Existe o Neymar, tão bem sucedido que é mais uma marca internacional do que jogador. Ele é o produto de um humilde bairro nos arredores de São Paulo. Existem Rivaldo, Ronaldo e Romário, três ex-campeões de Copa do Mundo, todos já premiados pela FIFA com o título de melhor jogador do planeta.

  E, mais recentemente, está Vinicius Júnior, um brilhante atacante que saiu da escola do Flamengo. Treinou nos mesmos campos que os 10 meninos que morreram. Viveu o sonho: em 2017, quando tinha 16 anos, o clube espanhol Real Madrid concordou em pagar 45 milhões de euros (pouco mais de 198 milhões de reais) por seu passe depois de ter atuado apenas por 11 minutos em seu jogo de estreia.

  Todos esses jogadores, e centenas mais, emergiram da fábrica de craques do Brasil e agora jogam nos principais clubes do mundo.

  No começo da carreira, os pais de Christian gastaram tudo o que tinham — e fizeram empréstimos com amigos e vizinhos — para financiar o sonho de ver o filho se tornar um jogador de futebol.

  Ele parecia estar se aproximando de sua própria versão da história de sucesso. Em 5 de março, dia em que completaria 16 anos, estava previsto que assinasse o primeiro contrato profissional no Flamengo. Seu sonho, de tantos anos, parecia ao alcance.

  Ele morreu quatro semanas antes daquele aniversário.

  Dias depois de sua morte, o pai, Cristiano Esmério, estava do lado de fora de uma torre de escritórios no centro do Rio, onde os defensores públicos se reuniam com representantes do Flamengo. Ele estava com um grupo de advogados.

  Um se dirigiu a ele.

  Quando tratou da indenização, o advogado argumentou que seria injusto que Christian fosse tratado como os outros jovens. Afinal de contas, disse, alguns dos meninos mortos eram recém-chegados. Christian, no entanto já fora convocado para uma das seleções brasileiras de juvenis. Ele valia mais do que os demais.

  Esmério assentiu em silêncio. Ele e o filho também tinham falado de dinheiro.

  “Pai, vamos procurar uma casa”, lembra o pai, contando sobre Christian reagiu quando recebeu a notícia de que estava fechando um contrato profissional. “Com meu primeiro salário, quero uma casa para minha mãe, assim ela vai ter que sofrer mais por falta de água ou de luz”.

  Uma semana antes de morrer, o garoto postou uma homenagem à família no Facebook. Acima de duas fotos de pai e filho separadas por uma década, ele fez uma promessa:

  “Todo o sacrifício será compensado, meu velho”.

B:

  

  钱多多论193333【正】【如】【杨】【绵】【绵】【所】【说】,【这】【事】【雍】【正】【爷】【只】【当】【是】【杨】【绵】【绵】【救】【了】【她】,【若】【是】【再】【将】【索】【布】【德】【推】【杨】【绵】【绵】【这】【事】【查】【下】【去】,【最】【后】【结】【果】【只】【会】【对】【索】【布】【德】【有】【益】【而】【已】。 【在】【皇】【上】【生】【命】【紧】【急】【至】【极】,【来】【不】【及】【救】【援】,【只】【能】【推】【杨】【绵】【绵】【过】【去】【当】【下】,【这】【事】【最】【后】【只】【能】【是】【有】【利】【于】【索】【布】【德】。【因】【此】【他】【们】【不】【能】【在】【追】【究】。 “【绵】【绵】【放】【心】,【爷】【总】【有】【一】【天】【会】【替】【你】【讨】【回】【来】【的】。” 【四】【爷】【心】【疼】【的】

  【讨】【论】【还】【在】【持】【续】。 【关】【于】【影】【视】【审】【核】【的】【标】【准】【究】【竟】【要】【如】【何】【确】【定】,【现】【在】【还】【没】【有】【一】【个】【准】【信】。 【虽】【然】【前】【面】【公】【开】【说】【了】【已】【经】【改】【革】,【推】【出】【了】【影】【视】【分】【级】【制】【度】,【但】【这】【只】【能】【说】【是】【在】【原】【本】【的】【审】【核】【制】【度】【上】【加】【多】【了】【一】【个】【紧】【箍】【咒】。 【而】【这】【个】【紧】【箍】【咒】,【分】【为】【四】【个】【级】【别】,【紧】【死】【人】、【超】【级】【紧】、【特】【别】【紧】、【一】【般】【紧】。 【也】【就】【是】【说】,【这】【审】【核】【标】【准】【其】【实】【就】【没】【有】【一】【个】【不】

  “【道】【友】,【这】【是】【一】【个】【误】【会】【就】【算】【了】,【希】【望】【你】【们】【能】【跟】【这】【位】【僧】【人】【化】【干】【戈】【为】【玉】【帛】,【毕】【竟】【和】【尚】【把】【事】【情】【前】【因】【后】【果】【说】【的】【很】【清】【楚】,【乌】【云】【道】【友】【在】【这】【件】【事】【情】【处】【理】【还】【是】【有】【待】【商】【榷】。”【周】【三】【道】【长】【努】【力】【想】【要】【化】【解】【王】【奇】【和】【乌】【云】【道】【人】【麻】【烦】。 【可】【惜】【三】【角】【眼】【并】【不】【领】【情】,【给】【自】【己】【师】【兄】【弟】【一】【个】【眼】【神】,【师】【兄】【弟】【自】【觉】【从】【大】【胡】【子】【道】【人】【手】【中】【接】【过】【乌】【云】,【在】【三】【角】【眼】【看】【来】,【说】【什】

  【当】【你】【收】【到】【写】【封】【信】【的】【时】【候】,【我】【已】【经】【离】【开】【金】【陵】【了】,【也】【不】【会】【再】【来】【润】【城】…… 【温】【若】【瑜】【某】【一】【天】【在】【画】【坊】,【专】【心】【致】【志】【听】【着】【朱】【清】【晖】【绘】【声】【绘】【色】【学】【给】【他】【看】【各】【色】【大】【主】【顾】【的】【表】【情】,【有】【人】【递】【来】【一】【封】【信】。【信】【封】【上】,【是】【安】【筱】【蕤】【的】【笔】【迹】。【不】【知】【为】【何】,【那】【一】【瞬】【间】【他】【心】【里】【就】【有】【种】【不】【安】,【想】【拆】【信】【又】【不】【敢】【拆】,【面】【上】【的】【神】【情】【生】【动】【得】【朱】【清】【晖】【有】【些】【惊】【讶】,【更】【是】【好】【奇】,【安】【儿】【究】

  【此】【前】,【赵】【无】【德】【已】【经】【和】【刘】【浪】【交】【过】【一】【次】【手】,【尽】【管】,【最】【后】【刘】【浪】【成】【功】【救】【下】【了】【五】【十】【名】【天】【尊】,【但】【很】【大】【程】【度】【上】,【还】【是】【因】【为】【赵】【无】【德】【觉】【得】【一】【百】【五】【十】【名】【天】【尊】【已】【经】【够】【了】,【没】【再】【继】【续】【出】【手】。 【如】【今】,【看】【到】【刘】【浪】【并】【没】【有】【其】【他】【帮】【手】,【屁】【股】【后】【面】【还】【是】【那】【几】【个】【人】,【赵】【无】【德】【直】【接】【笑】【了】,“【刘】【浪】,【你】【听】【没】【听】【过】【一】【个】【词】,【叫】【自】【寻】【死】【路】?【其】【实】,【你】【老】【老】【实】【实】【地】【呆】【着】,钱多多论193333【宣】【国】【公】【老】【夫】【人】【的】【不】【满】【是】【从】【来】【不】【用】【遮】【掩】【的】。【听】【到】【动】【静】,【花】【厅】【里】【的】【众】【人】【慌】【忙】【起】【身】【相】【迎】,【道】【枫】【听】【到】【勾】【云】【染】【小】【声】【喃】【道】:“【老】【夫】【人】【怎】【么】【过】【来】【了】?” 【只】【见】【原】【本】【在】【正】【屋】【教】【琴】【的】【佟】【先】【生】【扶】【着】【宣】【国】【公】【老】【夫】【人】【走】【了】【进】【来】,【计】【园】【苳】【扶】【着】【一】【位】【另】【一】【位】【衣】【着】【简】【朴】,【看】【容】【貌】【年】【纪】【轻】【些】【的】【老】【夫】【人】【跟】【在】【后】【面】。【勾】【云】【染】【愣】【了】【一】【下】,【笑】【着】【上】【前】【扶】【着】【年】【轻】【些】【的】【老】

  【打】【从】【清】【风】【苑】【回】【来】【已】【经】【一】【连】【好】【几】【天】,【祁】【子】【燚】【请】【便】【了】【帝】【都】【最】【好】【的】【大】【夫】,【南】【瑜】【依】【旧】【昏】【迷】【不】【醒】,【南】【璟】【也】【没】【日】【没】【夜】【地】【守】【候】【在】【南】【瑜】【的】【身】【边】,【整】【个】【人】【疲】【惫】【不】【堪】。 【是】【日】【夜】,【外】【面】【响】【起】【蝉】【鸣】,【长】【风】【直】【灌】【入】【屋】【内】,【南】【璟】【起】【身】,【向】【外】【走】【去】,【刚】【踏】【出】【房】【门】,【祁】【子】【燚】【迎】【面】【走】【进】【来】。 “【这】【么】【晚】【了】,【你】【要】【去】【哪】?” 【南】【璟】【抬】【头】,【疲】【惫】【的】【面】【容】【实】【在】

  omg【这】【一】【战】【也】【是】【极】【大】【的】【提】【升】【了】【国】【内】【的】【自】【信】,【虽】【然】【说】【有】【信】【心】,【可】【是】【之】【前】【的】【交】【手】【除】【了】【皇】【族】【以】【外】,【其】【他】【战】【队】【在】【和】【韩】【国】【战】【队】【交】【手】【的】【时】【候】【都】【没】【占】【到】【什】【么】【便】【宜】。 【在】【此】【时】【国】【内】【也】【不】【再】【吹】【皇】【族】【了】,【反】【而】【把】omg【吹】【上】【了】【天】。 【就】【好】【像】【这】【个】【冠】【军】【已】【经】【是】【囊】【中】【之】【物】【了】。 【这】【种】【事】【情】【萧】【晨】【也】【见】【的】【太】【多】【了】,【并】【没】【有】【太】【大】【的】【感】【觉】。 【并】【且】

  0801:【三】【女】【争】【锋】 【找】【到】【朱】【晓】【晓】,【比】【肖】【辰】【想】【像】【中】【的】【更】【顺】【利】。 【刚】【刚】【踏】【上】【战】【舰】,【朱】【晓】【晓】【扑】【身】【冲】【了】【过】【来】,【而】【她】【的】【几】【个】【护】【卫】,【正】【也】【几】【个】【阻】【拦】【她】【过】【来】【的】【军】【士】【扑】【打】【在】【一】【起】。 “【肖】【辰】,【你】【终】【于】【来】【了】。”【朱】【晓】【晓】【神】【情】【憔】【悴】,【扑】【到】【肖】【辰】【怀】【里】【立】【即】【失】【声】【痛】【哭】【起】【来】。 “【我】【来】【迟】【了】。” 【肖】【辰】【心】【里】【有】【愧】【疚】,【如】【果】【他】【不】【在】【中】【途】【时】【舍】

  【一】【入】【水】,**【就】【发】【现】【了】【不】【对】,“【潭】【水】”【不】【是】【水】,【而】【是】【一】【种】【气】【状】【物】。 【赵】【小】【六】【凌】【空】【而】【立】,【虽】【然】【早】【进】【来】,【却】【没】【有】【先】【下】【潭】【底】,【一】【直】【在】【等】【着】**。【此】【时】【见】【到】**【在】【好】【奇】“【潭】【水】”【是】【何】【物】,【冷】【冷】【开】【口】:“【这】【是】【凝】【质】【化】【的】【寒】【罡】【气】,【只】【有】【极】【寒】【之】【地】【才】【会】【出】【现】,【这】【口】【寒】【潭】【的】【形】【成】,【说】【明】【此】【地】【有】【极】【寒】【之】【物】。” 【极】【寒】【之】【物】【能】【牵】【引】【三】【尸】【神】【灯】

  

上一页 1 2 下一页

分享